quarta-feira, 31 de outubro de 2007

wagner em brasília

Wagnerianos, morram de inveja! Cheguei agora cedo de Brasília, onde ontem assisti a um concerto da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, com regência de Ira Levin. No programa, o segundo ato do Parsifal e trechos de Siegmund do primeiro ato da Valquíria. Fiquei impressionado. No Parsifal, destaque para o Klingsor de Stephen Bronk e para a Kundry de Graciela Araya, um banho de interpretação, ao lado da regência de Levin, expressiva, dando espaço para toda a dramaticidade da música, construindo os grandes momentos de maneira muito hábil. O tenor Howard Haskin saiu-se bem como Parsifal, mas gostei mais dele como Siegmund. A orquestra, é bonito de ver, toca Wagner como se deve, atenta às peculiaridades estilísticas, o que sobressai a um ou outro problema pontual. Enfim, mais detalhes em breve no "Caderno 2". Apenas um comentário – que música, não? No intervalo, ouvi uma conversa de dois jovens na porta do Teatro Nacional. “Esse Wagner era do caráio, véio!”. Era mesmo.

3 comentários:

viralata disse...

Pena que vc não poderá publicar o comentário dos moleques João! Tenho certeza que com essa frase teríamos um público menos preconceituoso e careta e do que os verdadeiros "véios" de plantão! hahahahahahha

Luciana disse...

Outro dia num concerto da Petrobras Sinfonica tinha dois guris, de uns 9, 10 anos, insuportavelmente irrequietos na platéia - Vivaldi, Prokofiev, nada dos garotos pararem quietos, chegaram a deitar no chão entre as poltronas do Municipal do Rio. A segunda parte era Wagner. Ficaram extasiados. E estáticos, de olhos arregalados. Comentário da Roberta, minha assistente: "Wagner é rock `n roll!!"

Andre Vital disse...

Sou o representante da Sociedade Internacional Richard wagner no Brasil, e busco fazer um contato com a cantora Graciela araya.
Desde já agradeço qualquer ajuda.

www.richard-wagner-verband.de/regional.html

www.circulomontsalvat.com.br