segunda-feira, 24 de setembro de 2007

sobre orquestras e seus regentes

Ao longo do fim de semana, o “Estadão” publicou duas matérias ligadas à vida orquestral que tocam em temas atuais e similares, de forma que as reproduzo aqui: no sábado, uma entrevista que fiz com Henry Fogel, presidente da Liga das Orquestras Americanas, que esteve no Brasil para discutir o funcionamento das sinfônicas; e, no domingo, um artigo de João Marcos Coelho sobre o novo papel do regente-titular.





Sinfonia do Patrocínio Ele é um senhor de aparência pacata, fala tranqüila; pode discorrer horas sobre sua preciosa coleção de LPs e CDs, em especial sobre o xodó especial que tem com coletâneas de árias de óperas, colhidas ao longo de seus 65 anos. Mas Henry Fogel é também presidente da Liga das Orquestras Americanas – e, nessa posição, viaja o mundo discutindo a situação das sinfônicas em palestras, seminários e textos colocados diariamente em seu blog. E, aí, o mesmo tom tranqüilo ele emprega na hora de advogar pela necessidade de modernização dos conjuntos sinfônicos e suas estruturas, abraçando novas tecnologias e desenvolvendo uma relação profissional com patrocinadores. Continua aqui.

E para que serve mesmo um maestro? A pergunta sintetiza a maior angústia que cerca a vida musical de concertos em todo o mundo – a alta faixa etária do público: como atrair novas e mais jovens platéias? A resposta óbvia é injetar sangue novo no pódio, romper com a dança das cadeiras que faz um troca-troca entre os poucos nomes estrelados da regência e as maiores orquestras do planeta. É o que acabam de fazer duas sinfônicas americanas ao indicar para seus pódios titulares dois jovens: Alan Gilbert, 40 anos, assume a Filarmônica de Nova York na próxima temporada; e o venezuelano-sensação da batuta, Gustavo Dudamel, 26 anos, faz o mesmo com a Filarmônica de Los Angeles. Continua aqui.

Uma atualização (26/9): Henry Fogel colocou ontem em seu blog comentários sobre sua visita ao Brasil. Leia aqui.

Um comentário:

sssbraga disse...

Passou em branco no blog a vinda da Emma Kirkby pelo Brasil. Só agora, olhando seu site, tive notícia da passagem. Santa Simplicitas"