segunda-feira, 8 de janeiro de 2007

mas, qual a orquestra? e o maestro?

Quem costuma procurar óperas, sinfonias, obras de câmara, enfim, o que seja, na internet para fazer download já se deparou com este problema: lá estão os nomes da obra ("Sinfonia nº 9") e do artista (Beethoven). Mas, e o resto? Quem rege? Qual orquestra? Qual o ano da gravação? São informações que, para os melômanos, fazem toda a diferença do mundo. Só que a configuração dos principais sites de download e aparelhos como o iPod não comporta maiores informações. Eles organizam as faixas por nome da obra, artista e título do álbum. Para a música clássica, o sistema não serve: o nome do álbum normalmente é o nome das peças executadas e o sistema coloca como artista o compositor e não o intérprete. Por isso, uma empresa chamada Gracenote Inc., que opera bancos de dados para sites como o iTunes, acaba de anunciar que desenvolveu um novo critério para a música clássica, oferecendo recursos técnicos que permitam a presença de campos para todas as informações necessárias. Segundo a agência de notícias Reuters, cerca de 10 mil faixas já foram refeitas seguindo o novo modelo.

Um comentário:

pedrita disse...

é bem complicado mesmo. esses dias vi um comercial de um filme e contavam o final. nem acreditei. não sabem colocar informações que interessa e colocam as que não deveriam estar. beijos, pedrita