quarta-feira, 11 de abril de 2007

apenas boato?

Em resposta ao oportuno artigo de João Batista Natali na Folha de segunda-feira sobre os boatos de que o governo do Estado tem em mente cancelar a temporada de óperas do Teatro São Pedro e desistir de tratá-lo como espaço dedicado exclusivamente à ópera, Andre Sturm, coordenador da Unidade de Fomento e Difusão da Produção Cultural da Secretaria de Estado da Cultura, assina a seguinte carta na edição de hoje do jornal: “Gostaria de informar que, por parte da SEC, não só apoiamos a excelente programação desse teatro e sua destinação à música lírica como propusemos ao diretor artístico que aumentasse o número de dias de espetáculos no ano. Em relação à programação previamente planejada, informo que duas das óperas foram canceladas, uma por iniciativa do proponente e uma por nossa proposta, com o objetivo de oferecer mais atrações. Ou seja, em vez dessas duas óperas de orçamento elevado, teremos pelo menos outras quatro de orçamento menor. Assim, mais pessoas poderão ir ao teatro, que oferecerá mais diversidade e mais dias de programação. Reforço que não há nenhum fundamento nesses boatos”. Essa batalha, enfim, o Natali parece ter ganho para nós. Só ficou faltando saber a que títulos o Sturm se refere. Sabe-se que a ópera cancelada “por iniciativa” do proponente, ou seja, pelo produtor que havia sugerido o projeto, foi “Anjo Negro”, de João Guilherme Ripper. O outro cancelamento e as óperas que entraram agora na programação não foram divulgados. Vamos atrás das informações e logo voltamos a falar do assunto. Um detalhe: o artigo do Natali fazia referência também aos boatos de que o governador José Serra tem planos de substituir o maestro John Neschling à frente da Osesp; sobre este tópico, o silêncio da administração estadual continua.

7 comentários:

José Carlos Neves Lopes disse...

O ditado diz" onde há fumaça há fogo", podemos também dizer que o silêncio pode indicar aquiescência.
José Carlos

Lauro Machado disse...

Ouvi a informação -- ainda não confirmada -- de que a outra ópera seria o "Rigoletto", mas não sei ainda dizer por que motivo teria sido ela a escolhida, nem que outros títulos foram propostos em seu lugar.

joãosampaio disse...

lauro, ouvi o mesmo. não sei os motivos que levaram à escolha, mas de cara acho uma pena, pois seria uma produção em parceria com a sinfônica de santos, que depois faria lá a apresentação, passando a ocupar também com a ópera o teatro coliseu. enfim, se for mesmo o caso, torço para que a orquestra esteja envolvida em um dos novos projetos. para a secretaria seria até interessante, porque o espetáculo viajaria e ocuparia outras praças, o que deve ser preocupação do governo do Estado.

walterneiva disse...

estou montando La Cambiale di Matrimonio
e Il Signor Bruschino
operas de um ato de Rossini que serão apresentadas na mesma noite
estreia em 23 de maio
como estava previsto na programação
mas parece que ainda não foi feita nenhuma divulgação
(já iniciamos ensaios)
no elenco Solange Siquerolli,Eduardo Abumrad;Marcia Guimarães,Gilberto Chaves,Amadeo Goes,Ademir da Costa,
Carlos Eduardo Vieira,Paulo Borges
Regencia Emiliano Patarra.

Lauro Machado disse...

Parece confirmado, João. Já avisaram o Petri de que a produção conjunta foi cancelada. Outro título que parece ter sido cortado, por falta de verba, é a "Dama de Espadas" que viria da Rússia. Não sei se, como planejado, será mantida a vinda do Hélikon ao Rio. Nos dois casos é pena.

joãosampaio disse...

é, lauro, uma pena, estava botando fé neste rigoletto do petri. resta agora esperar o que vão colocar no lugar. vc sabe se a sinfônica de santos vai participar de algum dos novos títulos?

Lauro Machado disse...

Isso eu ainda não sei. Pena mesmo é se perderem a chance de associar a OSMS e o Petri à temporada. Mesmo o "Rigoletto" tendo dançado, seria importante aproveitar o talento do Petri.