quinta-feira, 8 de março de 2007

entrevista com gabriela montero

No Estadão de hoje, entrevista que fiz com a pianista venezuelana Gabriela Montero, que toca na Sala São Paulo:
“Na primeira parte, obras de Chopin, Schumann e Liszt; na segunda, bem, você escolhe a peça - e ela improvisa sobre a partitura original . É com esse formato de recital que a pianista venezuelana Gabriela Montero vem construindo sua carreira no exterior. E a mesma idéia ela traz agora para a Sala São Paulo, onde faz três recitais a partir de hoje. A improvisação é uma das marcas da carreira de Gabriela. Conversando com o Estado, ela conta que desde pequena gostava de brincar no pianinho que ganhou de presente no seu primeiro Natal (ela tinha 7 meses), reproduzindo à sua maneira as canções que a mãe lhe cantava toda noite. “Depois, passei a estudar seriamente o instrumento. E quando me decidi por seguir a carreira, fui bem orientada a não deixar de lado o gosto pela improvisação”, diz. Continua aqui.

2 comentários:

CARLOS PINHEIRO JR. disse...

João, li sua entrevista no Estado, muito boa. A Gabriela Montero parece ser mesmo bem interessante. Mas quero anotar aqui a gafe cometida pelo maestro John Neschling, que no programa impresso da temporada 2007 da OSESP se refere a Gabriela como pianista "argentina"...
Abraço,
Carlos Pinheiro Jr.

spalla disse...

é, carlos, mais uma na lista interminável de gafes de JN