domingo, 18 de março de 2007

joyce hatto, ainda

"O que você sabe pode afetar o que você ouve? Suas impressões sobre uma peça mudariam se você achasse que ela estava sendo tocada por Arthur Schnabel e depois descobrisse que, na verdade, tratava-se do trabalho de um pianista talentoso da nova geração, como Leif Ove Andsnes?", pergunta Anthony Tommasini, do "New York Times", em artigo na esteira da polêmica que envolveu as gravações da pianista Joyce Hatto, na verdade, registros de outros pianistas atribuídos a ela por seu marido e produtor. Para ler, clique aqui.

2 comentários:

pedrita disse...

realmente quando se tem conhecimento das agruras do autor, sobre a obra e se é amigo dele, pode interferir sim na avaliação. mas acho que temos que fazer o distanciamento e olhar de longe. mas se a obra é ruim realmente, nenhum fator de aproximação costuma resolver. pode até um amigo dar uma força, mas a obra não vai longe. beijos, pedrita

Simone Iwasso disse...

qual a sua resposta? bom, infelizmente, acredito que somos todos influenciáveis nesse sentido, e o grande exercícío é buscar não sei se tanto o distanciamento, mas uma certa 'frieza', porque de alguma maneira a gente tende a desculpar, ou ser mais condescendente, com algum autor que admira, que respeita, que gosta muito...