sexta-feira, 23 de março de 2007

ópera pelo mundo

A soprano Ainhoa Arteta durante ensaio geral, ontem, de uma nova produção do "Diálogo das Carmelitas", de Poulenc, que estréia hoje no Palácio Euskalduna de Bilbao.



O tenor argentino Raul Gimenez durante ensaio da ópera "La Pietra del Paragone", de Rossini, no Teatro Real de Madri.


O tenor Plácido Domingo como Siegmund durante ensaio, quarta-feira, de "A Valquíria", no Kennedy Center de Washington.

O tenor Danilo Formaggia e a soprano Laura Rizzo durante ensaio, na quarta-feira, da produção do teatro São Pedro para "Lucia di Lammermoor", de Donizetti.

4 comentários:

pedrita disse...

adorei as fotos. beijos, pedrita

Lauro Machado disse...

O mais impressionante, nessas notícias, é se dar conta de que, com a idade que tem e a essa altura da carreira, quando muita gente já pendurou as chuteiras, Plácido Domingo ainda tem cacife para fazer no palco um papel como Siegmund. Por outro lado, me agradaria muito ver essa montagem basca dos "Diálogos das Carmelitas", com a Arteta -- que deve fazer o papel de Madame de Croissy. É uma das maiores óperas do século XX, com um final realmente impressionante! Já que não podemos nos teletransportar a Bilbao, recomendo, em DVD, a montagem do Opéra National du Rhin, de 1999, regida por Jan Latham Koenig e dirigida por Marthe Keller (que foi atriz de cinema e, hoje, dedica-se à direção de ópera).

Lauro Machado disse...

E deixem-me aproveitar este espaço para fazer um registro: hoje, dia 25 de março, é o aniversário de Magda Olivero -- professora de Danilo Formaggia que, ontem, participou da estréia da "Lucia di Lammermoor". The unsinkable Magda está fazendo 97 anos e, ao que tudo indica, perfeitamente lúcida e em forma, benza Deus! Que, no caso dela, o desejo de "Cent'anni" que os italianos costumam formular seja literal -- e, a julgar pela forma como ela vai indo, La Olivero dobra o cabo fácil fácil, Deus queira! Cilea, lá de cima, deve estar comemorando mais esse aniversário da sua Adrianna favorita.

Lauro Machado disse...

Outro dia mesmo, neste blog, comentávamos a notícia preocupante de que Mstisláv Leopóldovitch Rostropóvitch estava internado num hospital de Moscou, sendo tratado de um câncer. Os dias passaram e, ao que tudo indica, ele sobreviveu ao primeiro round com a doença. Amanhã, dia 27 de março, Slava completa 80 anos. Ele nasceu no nº 19 da Kolodiéznaia Úlitsa, em Baku, a capital do Azerbaijão -- hoje rebatizada como seu nome (e a casa onde morava o violoncelista e compositor Leopold Rostropóvitch é, hoje, um museu dedicado à carreira de seu filho). Violoncelista a quem Prokófiev, Shostakóvitch, Váinberg, Shnittke e outros dedicaram peças; pianista que se notabilizou acompanhando a sua mulher, a fabulosa soprano Galina Vishniévskaia; regente que deixou gravações excepcionais (a integral de Shostakóvitch com Washington, por exemplo) -- qual deles é o melhor Rostropóvitch? Difícil dizer. É necessário, também, lembrar que ele foi um daqueles que enfrentaram, abertamente, o governo neostalinista de Leoníd Brejnev, para defender dissidentes perseguidos pelas autoridades. Foi ele o único que ficou ao lado de Aleksandr Soljenýtsin, quando ele foi expulso da União dos Escritores, por ter publicado no exterior "O Arquipélado Gúlag" -- não só o apoiou como o hospedou em sua casa quando Soljenýtsin ficou literalmente ao relento. Por isso, pagou um duro preço: a família e ele foram expulsos da URSS e tiveram a cidadania russa cassada. Quando os entrevistei para o "Jornal da Tarde", no final da década de 70, a primeira vez que eles vieram ao Brasil, Galina, as duas filhas e ele viajavam como apátridas, com um passaporte especial da Casa Grimaldi, que lhes tinha sido cedido pelo príncipe Rainier, de Mônaco. O bom é que os impérios ruem e os artistas ficam. Olho para o mapa. A URSS não está mais lá. Slava, sim, está lá. Há oitenta anos. E estará para sempre.